Blog

Você sabe tudo sobre seguro de vida em grupo?

Atualizado em 24/04/2018 - 00h00

 

 Blogpost - Você sabe tudo sobre seguro de vida em grupo?

O termo “seguro de vida em grupo” é muito comum para corretores, contadores e profissionais que trabalham com gestão de pessoas. Porém, não faz parte do entendimento geral dos trabalhadores que, em algumas ocasiões, desconhecem a importância do benefício concedido a eles por meio das empresas.

Para desvendar todas as suas dúvidas em relação a esse assunto, abordamos as principais questões relacionadas ao tema!

O que é seguro de vida em grupo?
É um seguro contratado pela empresa em benefício de seus trabalhadores, resguardando-as de possíveis imprevistos financeiros dentro e fora do ambiente de trabalho. A forma de contratação do seguro de vida em grupo depende da política de cada Seguradora: em algumas - como o PASI – a partir de uma vida já é possível sua contratação.

As coberturas básicas são de Morte do titular, e há coberturas adicionais que podem ser acrescentadas às básicas. São elas:
· Invalidez permanente por acidente do titular;
· Indenização especial em caso de morte do titular por acidente;
· Invalidez funcional permanente por doença do titular;
· Pagamento antecipado por consequência de doença;
· Morte de cônjuge ou filhos do titular;
· Nascimento de filhos do titular com doença congênita;
· Diagnóstico de câncer de mama ou próstata do titular.

Há também outras assistências oferecidas com o intuito de oferecer benefícios utilizados em vida e são garantidos ao próprio segurado, como:

· Cesta Natalidade;
· Bônus por nascimento;
· Assistências Social, Psicológica e Nutricional;
· Reembolso à Empresa por Acidente Laborativo.

A definição das coberturas e assistências fica acordada em Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) pelo sindicato laboral e patronal de cada segmento, sendo comum os empregadores optarem pelos planos definidos nos acordos sindicais. Na CCT é possível verificar - na cláusula do seguro de vida em grupo - a cobertura exigida na íntegra. No entanto, é possível ampliar as coberturas, oferecendo maior proteção ao segurado.

Saiba mais: conheça outras assistências oferecidas pelo PASI. 


Quem deve contratar o seguro de vida em grupo?
A empresa que admite o trabalhador. Para isso, a empresa deve buscar um corretor (todas as contratações devem ser intermediadas por esse profissional) e avaliar qual a seguradora que se encaixa ao perfil de seu cliente, garantindo toda a proteção necessária.


Quando contratar o seguro de vida em grupo?
A contratação do seguro de vida deve ser feita no início dos trabalhos da empresa. Ou seja, deve ser uma das questões legislativas observadas antes de a empresa, de fato, começar a funcionar. Caso algum funcionário seja admitido ao longo da vida da empresa, antes de ele iniciar suas atividades, já deve ser segurado.


Em quais casos é obrigatória a contratação desse produto?
Quando as Convenções Coletivas de Trabalho possuem cláusulas do seguro de vida em grupo isso passa a ter força de lei. Dentre muitos segmentos, seguem alguns exemplos que devem ter o seguro obrigatório para seus trabalhadores: construção civil, indústria, comércio, vestuário, hotelaria, panificação. Para conhecer a Convenção Coletiva que abrange sua empresa, procure as entidades do segmento em sua cidade.

Saiba mais: conheça os principais segmentos de atuação do PASI. 

Quais os benefícios para o trabalhador e para a empresa?
O seguro de vida em grupo garante ao trabalhador a tranquilidade em saber que sua família estará amparada financeiramente, caso algum incidente resulte em morte ou invalidez. Já a empresa ao contratar o seguro, transfere toda a responsabilidade da Morte ou Invalidez para uma seguradora. Sendo assim, além de não ter que arcar com o imprevisto, pode evitar ações judiciais e o pagamento de indenizações muito superiores ao que poderia estar garantido pelo seguro contratado.

O trabalhador arca com algum custo?
Isso fica a critério da empresa, que pode ou não transferir esses gastos ao trabalhador. Na maioria dos casos, o valor não é repassado ao funcionário. Nos casos de exigências de seguro nas Convenções Coletivas de trabalho, é importante observar se o custeio é dividido entre o empregador e o empregado, pois caso não seja convencionada essa questão, o seguro deve ser totalmente oferecido pela empresa para o trabalhador.

E aí, ainda tem alguma dúvida? Entre em contato conosco! Siga-nos também em nossas redes sociais: estamos no Facebook, no Instagram, no LinkedIn, no Twitter e no YouTube.